quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Carro movido a hidrogênio

Cristina Baddini Lucas
Diretora Instituto Ruaviva

É urgente um esforço mundial para reduzirmos a circulação urbana com veículos individuais movidos a combustíveis fósseis. Neste sentido, o motor à combustão está com os dias contados, pois, precisamos cada vez mais de uma mobilidade ecologicamente correta.
Imagine um automóvel que funciona alimentado por uma fonte de energia tão limpa que o único resíduo que produz é vapor d'água. Parece sonho, mas já existem no mundo alguns protótipos desse veículo. Trata-se do carro movido a hidrogênio.


Como funciona
A conhecida fórmula H²O, afinal, significa que cada molécula de água tem dois átomos de hidrogênio. Quebrar e juntar o hidrogênio e o oxigênio da água de modo econômico é o grande desafio. A quebra precisa ser feita para produzir o hidrogênio, pois a forma molecular do elemento (H²), que será usado como combustível, praticamente não existe na Terra. O subproduto da geração de energia para acionar o veículo é água pura.E o que falta
Um dos problemas para tornar a célula de combustível uma tecnologia economicamente viável é que os melhores eletrodos disponíveis precisam de platina, metal raro e caro.
Outro problema tecnológico que ainda precisa ser resolvido para que sua produção em grande escala possa ser pensada é uma forma segura e economicamente viável de armazenar o "combustível". Isso porque o hidrogênio é um gás altamente combustível e instável. Basta lembrar que o Zepelim incendiou-se com hidrogênio gasoso e a Challenger explodiu a partir de seus tanques de hidrogênio líquido.
Os cientistas preconizam a produção desse hidrogênio a partir de fontes limpas como a energia solar ou eólica.

Não polui
O carro a hidrogênio não polui porque não queima combustível. Além de limpo, o motor a hidrogênio é muito mais eficiente que os motores convencionais a explosão usados hoje nos automóveis. Enquanto um motor elétrico transforma em energia mecânica (do movimento) quase 100% da energia que produz, um motor a explosão converte em energia de movimento menos de 30% da energia gerada pela queima do combustível.

Aproveitamento da urina
A Universidade de Ohio está desenvolvendo uma nova tecnologia que poderá dar mais uma opção de combustível aos automóveis do futuro.
Essa tecnologia está sendo desenvolvida para que utilize a urina como fonte geradora de hidrogênio em automóveis que tenham células de combustível.
A explicação é que a urina é rica em hidrogênio e por isso, através de um sistema de eletrodos de níquel, a urina seria transformada em mais uma fonte de combustível para mover os automóveis com essa tecnologia.


Quando?
A expectativa do mercado é que os carros movidos a hidrogênio comecem a se tornar mais comuns a partir de 2015. Já está se tornando realidade em alguns países mais avançados. O Japão parece estar mais adiantado, pois já iniciou a fabricação em escala industrial de modelos de carros de passeio movidos a hidrogênio. Mas Alemanha e Estados Unidos não estão muito atrás.
Enfim, o carro a hidrogênio ajuda o ambiente urbano na questão da poluição, mas, com relação ao espaço que ocupa nas cidades ainda é melhor o investimento em transportes públicos de qualidade e a adaptação das cidades para circulação de bicicletas e de pedestres.


Cristina Baddini Lucas-especialista em trânsito, Consultora do Diário.

Entre em contato através do e-mail:cristinabaddini@dgabc.com.br e visite o blog: http//.olhonotransito.blogspot.com

Um comentário:

M BC disse...

Hmmm, se é para ter carro mesmo, prefiro o elétrico. O hidrogênio ainda concentra o combustível nas mãos de uma distribuidora; já com o elétrico, qualquer tomada residencial serve.

Tem um filme muito interessante que fala um pouco sobre os interesses por trás do desenvolvimento do carro movido a hidrogênio, "Quem matou o carro elétrico?" ("Who killed the electric car?") de 2006.

Mas, assim como a autora do artigo, ainda acho que o melhor é transporte público e bicicleta ;)

Abraços!